JORNALISTA CONHECIDO PELO PAPEL DE TENÓRIO CONTA TER SIDO AGREDIDO POR PREFEITO EM MORRO DO CHAPÉU

Compartilhe suas Notícias Preferidas!

[Jornalista é agredido por prefeito de Morro do Chapéu; político afirma que alegações buscam

O jornalista e humorista, Gabriel Bandarra, afirma ter sido agredido pelo prefeito de Morro do Chapéu, Leo Dourado. O episódio teria acorrido no último dia 3 de maio. O repórter do site Burburinho News conta que esteve na cidade acompanhado por sua equipe com o objetivo de averiguar uma série de denúncias relacionadas a administração pública local. Entre elas a situação da esposa do Presidente da Câmara Municipal, Antônio Júnior Rocha, que de acordo com o jornalista, teria três empregos com cargas horárias “impossíveis de serem conciliadas”. 

“Ela tem uma carga horária de 40 horas em Morro do Chapéu, uma carga horária de 20 horas em América Dourada e atua em regime de plantão também em outro emprego em Morro. Ou seja, é algo impossível de ser cumprido por um ser humano normal”, explica. No site, Bandarra faz reportagens interpretando o personagem Tenório, que, de acordo com sua descrição, “reporta de forma bem-humorada irregularidades cometidas por prefeituras em todo o Estado”.

O jornalista conta que, a princípio, o Presidente da Câmara recebeu a equipe sem qualquer resistência. Ele relata que durante a entrevista, ao ser questionado quanto aos trabalhos da esposa, Rocha teria ficado “revoltado”. “Ele respondeu que o TCM [Tribunal de Contas do Município] responderia sobre isso e saiu”, lembra. Nesse instante, de acordo como o repórter, o presidente da câmara teria o xingado de “viadinho” antes de voltar para seu gabinete. 

“Eu não sou homossexual, mas acho uma falta de respeito muito grande ele dizer uma coisa dessas. Eu voltei para perguntar o que ele tinha contra homossexuais. Fiquei na frente do gabinete dele esperando”, narra. Ele completa dizendo que ficou sentado na porta da sala, sem que ninguém apresentasse qualquer tipo de impedimento. Quando o Vereador abriu a porta, o jornalista sacou o microfone para entrevistá-lo mas foi detido por um funcionário. 

Segundo Bandarra, o homem é conhecido como “Da Lua”, e é funcionário concursado da prefeitura, exercendo a função de coveiro. “Ele tapou a câmera. Não temos registros do momento no qual o presidente da Câmara nos agride. Ele me agrediu, empurrou o microfone e tentou me dar um soco. Eu me afastei e ele entrou no gabinete novamente”, explica. Mais tarde, quando tentava sair, “Da Lua” agrediu um outro repórter da equipe, Caio Marques, que fazia registros utilizando um aparelho celular. Posteriormente, a polícia foi chamada ao local, e os profissionais do Burburinho News foram encaminhados a delegacia. 

Chegando na delegacia, o Presidente da Câmara realizava o registro do Boletim de Ocorrência, alegando que havia sido agredido pelo jornalista. Ele afirma que teria sido chamado de “preto safado”. “Temos tudo gravado, e temos como provar que em momento algum eu fiz isso”, defende-se. Ele também afirma que policiais presentes ao momento podem confirmar isso. Nesse contexto o prefeito teria invadido a delegacia, e agredido Bandarra na frente de policiais.

Agressão

“Os policiais viram, e podem relatar isso. Os oficiais tentaram detê-lo, e ele recebeu voz de prisão. Mas não ficou preso”, conta. Após a chegada do delegado, que não estava presente até aquele momento, o Prefeito teria deixado o local. De acordo com o jornalista, enquanto esteve no local, o chefe do executivo municipal fez uma série de ameaças a equipe de reportagem e transitava “livremente” pela delegacia. “Ele fez uma ameaça, inclusive na frente de um policial civil. Também temos tudo isso gravado, um áudio disso”, afirma. 

O episódio de intimidação também teria acorrido na sala de registro do boletim de ocorrência para conversar com o escrivão. O jornalista descreveu um clima de “intimidade muito grande” entre o prefeito e alguns funcionários da delegacia. “Isso nos deixou inclusive com um pouco de medo”, relata. Posteriormente, após ser liberada da delegacia, os profissionais foram escoltados até a cidade mais próxima. 

O jornalista se diz “desconfortável com a possibilidade de impunidade” quanto ao episódio, e revela a intenção de acionar a justiça. “A quantidade de advogados que nos procurou foi muito grande, inclusive gente ligada a OAB [Ordem dos Advogados do Brasil]. Vamos mover uma enxurrada de processos contra ele. A gente pode até achar que ele vai ficar impune, mas não vamos, de qualquer maneira, deixar de tomar providências”, conclui.

Outro lado 

Procurada pela reportagem do BNews, a assessoria de imprensa do prefeito Léo Dourado afirma que as alegações a seu respeito são uma tentativa de seus adversários políticos de desqualificá-lo, uma vez que não conseguem “questionar politicamente” sua gestão. O político também classifica o trabalho realizado pela equipe do Burburinho News como “sensacionalista”.

“É de conhecimento de todos que o personagem  interpretado (sic) por este repórter usa da ironia, do deboche e da provocação para desqualificar as gestões por onde passa. Para eles, muitas vezes, cabe a crítica pela crítica sem se importar com a honra e a exposição das pessoas, sejam elas gestores e políticas ou cidadãos comuns”, argumenta através de nota.

Dourado também lamento a postura dos profissionais, que em sua opinião “deveriam se encarregar de informar à população”. O prefeito conclui o pronunciamento defendendo a livre atuação da imprensa e a liberdade de expressão. “Reconheço o trabalho dos veículos sérios, cujo o empenho está sempre em estabelecer a verdade independente de posições políticas e partidárias”, afirma. 

Presidente da Câmara

Por meio de publicação em suas redes sociais, Antônio Júnior Rocha, deu declarações em tom semelhante ao do chefe do executivo local. “Hoje, ao final da Sessão Legislativa, um grupo invadiu a Câmara, munido de microfones e filmadoras, com o intuito de fazer chacota e balbúrdia na Casa, e em consequência manchar a imagem de nossa cidade”, escreveu na última sexta-feira (3). 

O Presidente também descreveu os questionamentos sobre feitos pela reportagem como “vazios”, e afirmou que já respondidos legalmente ao TCM os questionamentos a ele feitos. “Não satisfeitos com o que ouviram, passaram a provocar e proferir xingamentos contra os trabalhadores da Casa. O único objetivo dessa turma era fazer tumulto e criar polêmica”, opinou. Ele também conta que, “sem se identificar”, o jornalista e sua equipe invadiram seu gabinete.

.

Fonte – BNews