DIAS D’ÁVILA: EM MANIFESTAÇÃO, GARIS PROMETEM PARAR DE LIMPAR A CIDADE

Compartilhe suas Notícias Preferidas!
Please follow and like us:
Follow by Email
Facebook
Twitter
Instagram

O Sindicato dos Garis de Dias d’Ávila, saiu à público com cerca de 70 garis – trabalhadores da limpeza das ruas de Dias d’Ávila – no dia 3 de novembro por volta das 9:30 horas, quando se deslocaram até a Praça dos 3 Poderes para fazer uma manifestação que, segundo eles, se dava por causa de atraso no pagamento dos salários, corte de pessoal, atraso da primeira parcela do 13º e pelo não pagamento do ticket alimentação.

Segundo Edvaldo Rocha, coordenador do SindLimp, a empresa “SP” que cuida da limpeza da cidade de Dias d’Ávila vem incorrendo em vários itens que tem deixado intranquilo o trabalhador – como: atraso no pagamento dos salários, corte de pessoal, atraso da primeira parcela do 13º e pelo não pagamento do ticket alimentação até o presente momento.

Segundo o coordenador Edvaldo, ao perguntar sobre estes problemas na empresa, a mesma alega que também não está recebendo. Edvaldo pontua que a manifestação esta em busca de solução. “A prefeita como autoridade máxima no município, ela tem que forçar a empresa (que ela contratou) a pagar os trabalhadores na data certa”, pondera. “Será que a prefeita não viu que a empresa não tinha capital de giro?”, dispara.

Os trabalhadores procuram saber a data do pagamento do 13º que, até o momento, não lhes foi comunicado. Segundo o sindicato, na data de ontem não foi retirado todos os trabalhadores da rua, mas em data de 4 de dezembro, quarta-feira, todos estarão parados e estarão protestando novamente na porta da Câmara Municipal e da Prefeitura – até serem atendidos.

Segundo Edvaldo, no dia 30 era pra ter sido depositado o ticket Refeição e até hoje (3/12) aqueles trabalhadores não haviam recebido o mesmo.

“A manifestação se deu devido a empresa ter se manifestado dizendo que não sabia o dia que ia fazer o pagamento”, diz o sindicalista. “A população está pagando um preço que não é dela, por falta de uma fiscalização da empresa quanto ao pagamento dos proventos do trabalhador”.

A manifestação do dia 3 não atingiu o objetivo, pois não conseguiram falar com a prefeita, nem com o vice-prefeito e nem com nenhuma pessoa que pudesse direcionar suas reivindicações e que pudessem partilhar e ouvir seus anseios.