“JÁ FALEI QUE NÃO EXISTE CPMF”, DIZ BOLSONARO

Compartilhe suas Notícias Preferidas!

Marcos Cintra, secretário da Receita, disse um dia antes que contribuição previdenciária sobre movimentações financeiras seria umas medidas da reforma tributária

Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) negou nesta sexta-feira (9) que seu governo tenha planos de recriar a CPMF por meio da reforma tributária que será apresentada semana que vem ao Congresso.
“Já falei que não existe CPMF. O que ele [Marcos Cintra, Secretário da Receita] quer mexer, é tudo proposta. Não vai depois dizer lá na frente que eu recuei. Tudo é proposta”, disse.

A declaração, feita na saída do Palácio da Alvorada, ocorre um dia depois de o secretário da Receita, Marcos Cintra, ter apresentado o projeto da equipe econômica para reestruturação tributária do país. Segundo ele, o texto terá um tripé formado por reforma do IR (Imposto de Renda), imposto único sobre consumo e serviços e uma contribuição previdenciária sobre movimentações financeiras.

O presidente foi questionado sobre se concordava com a criação de um tributo análogo à CPMF, que incida sobre as transações financeiras. 

Ele esquivou-se da pergunta e ironizou as críticas de recebeu por ter proposto o fim da previsão de crime para trabalhos análogos à escravidão.

“Hoje em dia não pode falar nada em análogo, né Moro? Tem muita coisa análoga por ai”, disse.

O presidente disse que, com a reforma, o governo pretende facilitar o Imposto de Renda. 

 “Nós queremos facilitar o Imposto de Renda, aumentar a base, acabar com algumas deduções, diminuir o imposto máximo de 27,5%, diminuir um pouco. Essa que é a ideia: facilitar.”

Ele defendeu o fim das deduções de gastos com saúde e educação como contrapartida para redução da alíquota. 

“Grande parte paga imposto de renda e recebe. Para que essa brutal democracia [quando quis dizer, burocracia]? Sabemos que não são todos. Muita gente arranja nota fiscal para justificar educação, saúde. A gente quer acabar com isso daí simplificando.”, afirmou, acrescentando que todas as medidas hoje estão em estudo.

“[Sobre] CPMF que eu posso falar: não [haverá].” 

As mudanças na tabela do Imposto de Renda passam ainda por uma correção pela inflação da faixa de isenção. 

Se a faixa de isenção for corrigida apenas pela inflação, a equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) não conseguirá atender promessa feita por Bolsonaro durante as eleições.

Na campanha, ele afirmou que estenderia a isenção de IR para pessoas que ganham até cinco salários mínimos, o que equivaleria a R$ 4.990,00 (hoje, o benefício é válido para quem ganha até R$ 1.903,98 mensais).

Os estudos preliminares já indicam que não há recursos para esse tamanho de isenção e que essa faixa já é superior à média de países equiparáveis. 

“Eu falei isso durante a campanha, falei isso sim. Eu tinha conversado com o Paulo Guedes.  Eu vou continuar batendo nessa tecla. Eu acho que quem ganha até cinco salários mínimos em grande parte eu acho que todo mundo tem o imposto retornado para ele. Se a gente puder facilitar a vida deles, né? Seria muito bom no meu entender.”

Bolsonaro disse ter conversado com a equipe de Guedes para que “mesmo que não mude nada [aumento da faixa de isenção], pelo menos corrigir pela inflação”. 

“Porque não passou a ser Imposto de Renda. Passou a ser redutor de renda. Nós queremos mostrar que dá para fazer diferente, sabendo da dificuldade que o Brasil atravessa. A gente quer a vida das pessoas, é isso que eu pretendo. Em vez de “x” declarar imposto de renda todo ano, quem sabe “x menos y”.”

Detalhes sobre a reforma tributária do governo Bolsonaro foram apresentados pelo secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, durante evento sobre cenários econômicos, em São Paulo, promovido pelo Banco BTG Pactual na quinta-feira (8). 

A reforma do IRPF inclui a correção da tabela, mas de forma “muito lenta e gradual”, segundo o secretário. Também serão revistas algumas deduções que o governo considera com baixo efeito distributivo.

De modo geral, a equipe econômica estuda acabar com as deduções de gastos com saúde e educação . A medida é uma contrapartida para a redução da alíquota máxima da tabela, hoje em 27,5%.

A segunda perna da reforma inclui a desoneração da folha de pagamento e a criação de um tributo sobre movimentações financeiras.

Segundo Cintra, as mudanças no mercado de trabalho tornam a folha uma base frágil de tributação e que não será capaz de financiar a Previdência no futuro. O secretário disse reconhecer que esse tipo de tributo não tem a simpatia popular, mas defendeu a proposta como necessária.

“A CPMF é sempre trazida à tona como se fosse o modelo que o governo está tentando reviver. A Contribuição Previdenciária está para a CPMF da mesma forma que o IVA está para o ICMS. É a mesma coisa. São da mesma espécie. Só que um foi mal implantado, deformado e cheio de distorções. Propomos um sistema eficiente, transparente e neutro.”

A terceira perna é um IVA federal para unificar alguns tributos, como PIS, Confins, IPI, e a parte do IOF não regulatória (arrecadatória). Cintra disse que o imposto será implantado nos mesmos moldes da proposta que tramita na Câmara, a PEC 45, mas apenas com tributos federais.